Smailholm Tower

Smailholm, Scotland - United Kingdom

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

A “Torre de Smailholm” (em inglês, "Smailholm Tower") localiza-se próximo à vila de Smailholm, a Oeste de Kelso, na Área de Concelho de Scottish Borders, na Escócia, Reino Unido.

A toponímia é composta pela palavra “-holm” com o significado de pequena ilha. “Smail” pode referir-se a “Smale”, “Smail”, “Smaile”, “Small”, “Smalles”, “Smalls” e “Smeal”, derivado do inglês antigo de antes do século VII, "Smael", com o significado de "pequeno”, “delgado” ou “fino" e, originalmente, era atribuído a alguém com baixa estatura.

História

Em posição dominante no alto de Lady Hill, um cabeço rochoso, de onde se descortina ampla vista sobre os arredores, esta torre foi construída no final do século XV ou no início do XVI pela família Pringle (primitivamente designada como Hoppringle), vassalos do conde de Douglas. Ela ocupava as terras de Smailholm no início do século XV e administrava parte da floresta de Ettrick para o seu senhor.

Como as demais torres de cascalho escocesas, a de Smailholm foi erguida para proteger os seus ocupantes de eventuais ataques ingleses. Efetivamente foi atacada por forças inglesas em 1543, em 1544 e, uma vez mais, em 1546, quando foi saqueada pela guarnição do Castelo de Wark on Tweed, que fez prisioneiros e se apropriou do gado. Mais tarde, em 1640, a torre foi defendida dos ingleses, com sucesso, por Sir Andrew Ker, de Greenhead.

Smailholm passou às mãos dos Scotts de Harden por volta dessa época, meados do século XVII. Antepassados do escritor e poeta escocês Walter Scott - reconstruíram partes da torre e o pátio.

No século XVIII, a torre entrou em declínio após a mudança da família para a vizinha Sandyknowe.

A torre serviu como fonte de inspiração para Sir Walter Scott que, em menino, aqui visitou o seu avô paterno, tendo ainda aqui passado um tempo considerável na sua juventude, alegadamente para o benefício de sua saúde. Desse modo, Smailholm fornece o cenário para a balada “The Eve of St John”, e também o poema “Marmion - A Tale of Flodden Field” (1808). Como resultado do poema de Scott, o seu tio restaurou a torre, tornando-a segura, por essa época. O pintor inglês Wiiliam Turner visitou Smailholm com Scott nos últimos anos de vida do autor, e o seu esboço da torre foi incluído no "Scott's Poetical Works". A jornada de Turner com Scott rastreou cenas de "Marmion" e, pouco depois disso, o pioneiro da fotografia, Fox Talbot repetiu o itinerário de Turner, publicando o que é considerado o primeiro diário de viagem fotográfico ou livro de mesa de café turístico, "Sun Pictures in Scotland" (1845), em homenagem a ambos, Scott e Turner.

O último proprietário da torre, o conde de Ellesmere, entregou a propriedade aos cuidados do Estado em 1950.

Encontra-se classificada como “Scheduled Ancient Monument”, na categoria "A" do "listed building" desde 16 de março de 1971.

Restaurada na década de 1980, em nossos dias funciona como um museu, sob a gestão do Historic Scotland.

Em junho de 2007 recebeu a classificação máxima de 5 estrelas como atração turística pela VisitScotland, uma classificação apenas outorgada a oito outros sítios na Escócia.

Atualmente bem-preservada, abriga uma exposição de tapeçaria e de roupas de bonecas ligada ao nome de Sir Walter Scott, autor de "The Minstrelsy of the Scottish Border".

Mais recentemente, a torre é o palco do primeiro volume ("In the Keep of Time", 1977) da trilogia de aventuras infanto-juvenil de Margaret J. Anderson, na qual quatro crianças inglesas, que ficam com a sua velha tia Grace, viajam pelo tempo por meio de uma chave mágica, primeiramente para o tempo de Jaime II e, depois, para um futuro após a queda da civilização.

Características

Exemplar de arquitectura militar, do tipo torre de cascalho (“peel tower”), uma das pequenas casas fortificadas ou casas-torre, erguidas ao longo das fronteiras inglesa e escocesa nas Marcas escocesas e no Norte da Inglaterra, destinadas à observação e onde sinais de fogo (fachos) podiam ser acesos pela guarnição para alertar sobre o perigo que se aproximasse.

De relativamente pequenas dimensões, oferecia apenas cerca de 200 m² de espaço, depois ampliado pela construção de uma casa de entrada e de uma segunda cozinha no interior do pátio (“barmkin”).

Apresenta planta rectangular, com aproximadamente 12,1 m por 9,4 m, erguida em basalto, com paredes de 2,4 m de espessura.

Internamente divide-se em quatro pavimentos: o porão, abobadado, era originalmente dividido em dois pavimentos por um “mezzanino” de madeira acedido por uma escada. A porta rasga-se no lado Sul, encimada por um grande arco de arenito vermelho, com a escada em caracol no vértice Sudeste. Acima do porão encontra-se o salão, com uma lareira no lado Norte encimada por um rosto humano esculpido.

O piso superior caracteriza-se por uma incomum abóbada elíptica de pedra que suporta um telhado também em pedra. Os adarves correm ao longo dos lados maiores (Norte e Sul), embora ambos sejam interrompidos - o Norte por uma chaminé e o Sul por uma janela. Estas partes superiores da torre, incluindo uma seteira nas ameias do lado Oeste que cobrem o pátio, foram remodeladas no século XVII.

A torre está cercada pelos restos de uma muralha de pedra, no interior das quais são visíveis as ruínas de algumas dependências e de uma pequena capela. No lado Leste do pátio situava-se um pequeno jardim, que não mais existe. O lado Oeste do pátio está melhor conservado, com paredes até ao primeiro pavimento em torno da estreita entrada na parede oeste. O pátio, de cerca de 16 m por 19 m, contém os alicerces de um salão de um pavimento do século XVII ao Norte e de uma cozinha de dois compartimentos ao Sul.

Um fosso protegia a aproximação pelo lado Oeste da torre, sendo os outros três lados naturalmente protegidos pela natureza do afloramento. Cem metros para o Sudeste, mais escavações indicaram a presença de um assentamento muito antigo, provavelmente datado do primeiro milénio a.C.

A partir de 2006 foram realizadas experiências no telhado para se estabelecer o método de impermeabilização mais apropriado para se aplicar a outras propriedades, incluindo o plantio de relva ou esteiras de plantas Sedum. Como resultado, um projeto de restauração em 2010-2011 instalou um telhado de relva em toda a estrutura.

Contribution

Updated at 06/02/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Smailholm Tower


  • Fortified Tower





  • United Kingdom


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    Encontra-se classificada como “Scheduled Ancient Monument”, na categoria "A" do "listed building" desde 16 de março de 1971.



  • +44 1573 460365


  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : United Kingdom
    State/Province: Scotland
    City: Smailholm

    Sandyknowe Farm,
    Kelso TD5 7PG, Reino Unido


  • Lat: 55 -37' 45''N | Lon: 2 34' 35''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Smailholm Tower