Praça-forte de Baracoa

Baracoa, Guantanamo - Cuba

A “Praça-forte de Baracoa” localiza-se na cidade de Baracoa, na província de Guantánamo, em Cuba.

História

Situada no extremo leste da ilha, a sua baía – Porto Santo – quando da descoberta da América, foi a segunda escala de Cristóvão Colombo (27 de novembro de 1492 no Calendário Juliano, que corresponde a 7 de dezembro atualmente), que descreveu a elevação que a domina como uma “montaña alta y cuadrada que parecía isla”. (COLOMBO, Cristóvão. “Diário de Navegação”.) A toponímia “baracoa” é de origem Araucana, com o significado de “terra alta”.

Mais tarde, em 15 de agosto de 1511, o “adelantado” Diego Velásquez fundou Nuestra Señora de la Asunción de Baracoa, a primeira das sete cidades estabelecidas pelos espanhóis na ilha Juana, atual Cuba, tendo-se constituído na sua primeira capital, assim como sede da primeira diocese da ilha.

Em pouco tempo, entretanto, devido à resistência dos indígenas, a capital foi transferida para Santiago de Cuba (1515), o que mergulhou Baracoa em relativo abandono, tornando a povoação presa fácil para os ataques de corsários e piratas. Nos séculos seguintes a cidade transformou-se mesmo num ponto de referência para essas atividades nas águas das Caraíbas.

Visando coibir o contrabando e defender a povoação, em 1739 o Capitão-general da ilha, Juan Francisco Quemes de Horcasista, ordenou ao governador de Santiago de Cuba, Francisco Antonio Cajigal, que realizasse um minucioso estudo topográfico com a finalidade de criar as condições apropriadas para a sua defesa.

Foi encarregado dessa comissão o capitão e Comandante de Armas de Baracoa, Pedro Oviedo, que entre 1739 e 1742 levantou quatro fortificações, estabelecendo um sistema coordenado de defesa, emoldurando o centro urbano entre a baía de Porto Santo e a enseada de Miel:

- Forte de La Punta – a norte da cidade, sobre o mar

- Forte de Majana - a noroeste da cidade

- Forte Matachín – a sudeste da cidade, sobre o mar

- Forte ou Castillo del Seboruco – a sudoeste da cidade, sobre uma elevação um pouco para o interior

Este conjunto fez de Baracoa, pelo menos naquele período, a segunda cidade mais protegida de Cuba, a seguir a La Habana. Diante de seus canhões fundeavam dezenas de embarcações que se aprovisionavam de alimentos e água fresca antes de empreender a travessia até à Espanha, ou quando de lá chegavam, uma vez que era a primeira escala americana das embarcações que faziam o caminho contrário. Esse sistema adquiriu maior reputação após terem sido detidos e enforcados alguns piratas que tentaram desembarcar na Enseada de Miel.

Posteriormente, no contexto da Guerra de 1868, a defesa da cidade foi reforçada pela construção de novas estruturas, destinadas a controlar a entrada e a saída da cidade por esses lugares:

- Torreón de Joa

- Torreón del Cementerio

- Torreón del Paraíso

- Torreón de Cagüacey (Caguasy ou Sabas Marín)

Dispostos na forma de um cordão nos limites urbanos, tinham a dupla função de pontos de observação e baterias defensivas, controlando os acessos à cidade.

Ao longo dos séculos foram erguidas outras fortificações, que entretanto desapareceram:

- Fuerte Elvira

- Maraví

- Nibujón

- Guandao

- Mata

- Capiro

Em nossos dias a cidade encontra-se classificada como Monumento Nacional.

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 30/01/2014 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Praça-forte de Baracoa


  • Fortified City

  • 1739 (AC)

  • 1742 (AC)



  • Spain


  • Featureless and Well Conserved

  • National Protection





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Central America
    Country : Cuba
    State/Province: Guantanamo
    City: Baracoa



  • Lat: 20 -21' 1''N | Lon: 74 29' 51''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Praça-forte de Baracoa