Praça-forte de Havana

Havana, Havana - Cuba

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (2)

Images (2)

A “Praça-forte de Havana” localizava-se na cidade de La Habana, na província Ciudad de La Habana, em Cuba.

Esse conjunto fortificado defendia a cidade e o acesso à sua baía e porto.

Encontra-se classificado desde 1982 na Lista do Património da Humanidade pela UNESCO no conjunto da "Ciudad vieja de La Habana y su sistema de fortificaciones".

História

Já no início do século XVI o porto de Havana acolhia as embarcações que vinham pela rota de navegação e comércio do chamado “Canal Viejo” das Bahamas. Desde 1541 a Coroa espanhola ordenou que servisse como ponto de reunião das frotas de “Tierra Firme” e de “Nueva España” (México), em face da sua situação no golfo do México e à entrada do canal da Flórida, ao que se somavam as suas condições climáticas e topográficas. Estes fatores proporcionavam-lhes um ancoradouro seguro antes do seu retorno à Espanha. Desse modo, consideráveis fortunas em ouro, prata, sedas do Oriente e outras cargas valiosas, passavam anualmente por seu porto.

Em 1537 e 1538 a vila de San Cristóbal de La Habana foi saqueada e incendiada por corsários franceses. Em 1543, o corsário francês Roberto Baal ameaçou, sem sucesso, a capital, Santiago de Cuba, para em seguida dirigir-se a Havana, onde também foi repelido. Além destas povoações, à época também foram atacadas as de Trinidad e Baracoa. Em 1555 registou-se o ataque a Havana pelo corsário francês Jacques de Sores em 1555, e em 1586 a ameaça de Francis Drake às costas de Cuba.

Esse complexo defensivo foi erguido entre os séculos XVI e XVIII:

- o Castillo de la Fuerza Vieja (1539), hoje desaparecido;

- o Castillo de la Real Fuerza (1558);

- o Castillo de San Salvador de la Punta (1589);

- o Castillo de los Tres Reyes del Morro (1589); e

- a Fortaleza de San Carlos de la Cabaña (1763).

Em 1592 Havana recebeu o título de cidade, e o seu escudo de armas.

As muralhas, em cantaria de pedra, foram erguidas entre 1667 e 1740 caracterizada por muralhas cobertas, fosso e escarpa.

De maneira geral, as obras das fortificações de Havana foram demoradas sobretudo pela escassez, inconstância e heterogeneidade da força de trabalho, assim como o aporte irregular de recursos e a má gestão dos orçamentos. Ao longo dos séculos, os diversos governadores tiveram que insistir constantemente para obter recursos, pedindo empréstimos quando as situações se tornavam críticas. Não foram poucas as vezes em que os trabalhos foram interrompidos, parcial ou totalmente, em ocasiões de maior endividamento, tanto por falta de trabalhadores assalariados, como por falta de materiais de construção. A principal mão-de-obra utilizada foi a de escravos africanos e, em menor grau, a de jornaleiros. Também se recorreu a trabalhadores forçados das galés e outros prisioneiros, entre os quais piratas de diferentes nacionalidades, que realizavam as tarefas de pedreiros, carpinteiros e ferreiros, assim como as de peões. Por fim, a diversidade de critérios e as discordâncias entre governadores, engenheiros e alcaides, também prejudicaram os trabalhos de construção das fortificações.

O sistema fortificado mostrou-se ineficaz quando da tomada de Havana pelos ingleses em 1762, durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763).

Quando a Coroa Espanhola retomou o domínio da cidade (1763), deu-se início a uma reforma do sistema defensivo da mesma, visando torná-lo mais moderno e funcional, adequando-o às condições topográficas e tendo em conta a experiência adquirida com a invasão inglesa. Os principais diretores e executores desta intervenção foram os engenheiros militares Silvestre Abarca e Agustín Crame.

O centro histórico de “Habana Vieja” integra a Lista do Património Mundial, condição concedida na 6.ª Reunião do Comité Intergovernamental da Convenção do Património Mundial, Cultural e Natural celebrada na sede da UNESCO em Paris, entre os dias 13 e 17 de dezembro de 1982.

Na década de 1990 teve lugar uma ampla intervenção de conservação e restauro do sistema de fortificações da cidade. Atualmente encontram-se recuperadas e requalificadas, constituindo-se em dinâmicos polos culturais e de turismo em nossos dias, com destaque para o Parque Histórico Militar Morro-Cabaña.

  • Praça-forte de Havana


  • Fortified City

  • 1539 (AC)


  • Battista Antonelli


  • Spain


  • Restored and Well Conserved

  • UNESCO World Heritage
    O centro histórico de “Habana Vieja” integra a Lista do Património Mundial, condição concedida na 6.ª Reunião do Comité Intergovernamental da Convenção do Património Mundial, Cultural e Natural celebrada na sede da UNESCO em Paris, entre os dias 13 e 17 de dezembro de 1982.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Central America
    Country : Cuba
    State/Province: Havana
    City: Havana



  • Lat: 23 -9' 47''N | Lon: 82 21' 7''W






  • Na década de 1990 teve lugar uma ampla intervenção de conservação e restauro do sistema de fortificações da cidade.




Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Praça-forte de Havana