Praça-forte de Mazagão

El Jadida (Mazagão), El Jadida - Marroco

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (3)

Images (2)
Videos (1)

A “Praça-forte de Mazagão” localizava-se em Mazagão, atual El Jadida, na província de mesmo nome, região de Doukkala-Abda, no Marrocos.

Entre o início do século XV e meados do século XVIII foi uma possessão portuguesa.

Desse período, os monumentos que chegaram até aos nossos dias são a antiga fortificação com suas muralhas e baluartes - exemplo precoce da arquitetura militar portuguesa do Renascimento -, a sua monumental cisterna, e a Igreja de Nossa Senhora da Assunção, em estilo manuelino. Esse conjunto oferece um exemplo excepcional das influências recíprocas entre a cultura europeia e a marroquina.

Em 30 de junho de 2004, durante a 28.ª sessão do Comité do Património Mundial, em Suzhou, na China, a povoação de El Jadida foi inscrita na lista do Património Mundial da UNESCO.

História

Antecedentes


O seu local pode corresponder a uma das sete colónias fundadas pelo almirante Hanão em meados do século V a.C., denominada "Rusbis". Este local também se encontra referido pelo Políbio em 150 a.C., e pelo geógrafo Ptolemeu, conforme Plínio, o velho, sob a designação de "Portus Rutilis".

No início do século XVI, os portugueses ali encontraram os restos de uma pequena torre abandonada, primitivamente utilizada como posto de vigia, denominado "El Brija" diminuitivo de "Borj". Durante a construção da primeira cidadela, os portugueses aproveitaram-na, denominando a nova estrutura de "Castelo Real". A cidadela ao seu abrigo foi colocada primitivamente sob a invocação de São Jorge.

A origem da toponímia "Mazagão" é controversa. João de Sousa afirma que o nome provem da expressão em língua árabe "El ma Skhoun", com o sentido de "água quente", enquanto André Privé supõe que a palavra é de origem portuguesa. A versão mais plausível é que o nome seja de origem berbere uma vez que se encontra registado pelo geógrafo Muhammad Al-Idrisi, no século XI, o nome original pronunciado como "Mazergan" com o significado de "amolar".

Após a sua destruição, em meados do século XVIII foi denominada de "Al Mahdouma", ou seja "a demolida", e mais tarde reconstruída vindo a ser denominada de "el Jadida" ("a nova"). (Rémon Faraché et Mustapha Jmahri, Guide Remon, Les mille noms d'El Jadida, éd. Les Presses du Midi.)

O estabelecimento português: o século XVI

O sítio de "Mazagan" ou "Mazagão", considerado uma vila portuguesa em terras marroquinas, encontrava-se sob o domínio da Coroa portuguesa desde 1486. A primeira notícia de uma fortificação no local encontra-se em uma carta de 1502 de Pêro Mendes, feitor de Safim, a Manuel I de Portugal (1495-1521), na qual dá conta de que o chefe muçulmano Celeme ben Omar se propunha a erguê-la caso fosse devidamente recompensado. De acordo com RICARD, os portugueses ocupavam à época uma antiga torre abandonada, e já pediam por um forte no local. ("Les Sources Inédites...", pp. 109-113, t. I). Pouco depois, em 21 de maio de 1505 o mesmo soberano autorizou Jorge de Melo  a construir ali uma fortaleza à sua custa, fazendo a mercê da capitania da praça a ele e a seus descendentes.

Na sequência da conquista de Azamor (1513) é que se iniciaria a fortificação do local. Dadas as dificuldades de acesso ao Umme Arrebia (o rio de Azamor), a armada de D. Jaime, duque de Bragança, utilizou como porto a baía de Mazagão. Em carta de setembro de 1513 a D. Manuel I, o duque de Bragança considerava que em Mazagão era “necessário huua fortaleza mais que a vida pera este lugar (...) Aja V. A. que he o melhor porto do mundo” porém, cartas posteriores mencionam navios que chegam a Mazagão com materiais de construção (cal e madeiras) que se destinam às obras em Azamor. ("Les Sources inedites..." p. 442, t I.) Em resposta, D. Manuel expediu ordens para que o projeto se efetuasse apenas após concluídas as obras de Azamor. Foi assim erguida uma feitoria fortificada, tendo os trabalhos decorrido de junho a agosto de 1514, sob a direção dos arquitetos Diogo e Francisco de Arruda, que projetaram e construíram uma estrutura de planta retangular, com 56 metros de comprimento por 46 de largura, e torres nos vértices. No seu subsolo existiam 25 colunas e pilares com volutas góticas em tijolos aparentes. O piso térreo abrigava os armazéns e os celeiros, e o piso superior era destinado a atividades administrativas. Uma das torres erguia-se no sítio de al-Buraidja. (M. Th. Houtsma, L-Moriscos, Ed. E.J. Brill's First Encyclopedia of Islam, 1913-1936. p. 423.) O seu primeiro capitão foi Martim Afonso de Melo, nomeado em 10 de agosto daquele mesmo ano.

Em 1541, na sequência da queda da Fortaleza de Santa Cruz do Cabo de Gué (atual Agadir), João III de Portugal (1521-1557) determinou a evacuação da Praça-forte de Safim e da Fortaleza de Azamor (1542), concentrando forças em Mazagão, considerada como melhor protegida, e que permaneceu a única praça-forte portuguesa na costa sul do Marrocos. Ainda em 1541, o arquiteto Diogo de Torralva fora nomeado para estudar a ampliação da primitiva edificação. Agora, entretanto, era imperioso oferecer condições ao local e seus habitantes, tendo início uma extensa remodelação das suas defesas, com projeto a cargo do italiano Benedetto da Ravenna (c. 1485-1556), engenheiro de Carlos I de Espanha, tendo os trabalhos sido dirigidos pelo português João Ribeiro e o espanhol Juan de Castillo (João de Castilho). Com efeito, um primitivo projeto para as defesas de Mazagão, com a assinatura de Benedetto da Ravenna, apresenta data de maio de 1541. Data deste período a configuração das muralhas que chegou até aos nossos dias: uma fortificação com planta no formato de uma estrela de quatro pontas.

Primeira obra de fortificação portuguesa integralmente abaluartada, o seu corpo principal foi erguido na parte sul da baía, no espaço de um ano (1541-1542). As muralhas apresentavam planta quadrada, com baluartes nos vértices, defendidas por um largo fosso pelo lado de terra, transposto por uma ponte levadiça. Ao centro da praça de armas, abria-se uma vasta cisterna, considerada pelos estudiosos como uma obra de arquitetura notável. No decorrer dos anos viriam a ser erguidas a Igreja de Nossa Senhora da Assunção e o Recolhimento da Misericórdia.

À época da evacuação da Praça-forte de Alcácer-Ceguer (1549) e da Praça-forte de Arzila (1550), as suas defesas complementares ainda não haviam sido concluídas.

Ao longo do século XVI sofreu vários assaltos, vindo a constituir-se no palco do último grande feito das armas portuguesas no Marrocos, quando foi cercada por um poderoso exército muçulmano sob o comando do xarife sádida, Mulei Abdalá al-Gâlib, em 1562. No ano anterior (1561) a regente D. Catarina de Áustria (1557-1562) havia projetado o abandono da praça, e mandado retirar a cavalaria e o comandante da guarnição, o capitão Álvaro de Carvalho. Quando as primeiras notícias do assédio chegaram ao reino, o povo e muitos nobres, precedendo a decisão da Corte, embarcaram em socorro da praça. A regente viu-se constrangida assim a promover a defesa, que se prolongou por mais de dois meses, durante os quais se praticaram atos do maior heroísmo na história militar portuguesa: na guarnição de 2.600 homens, sob o comando de Álvaro de Carvalho, então ausente, destacou-se como capitão interino o seu irmão, Rui de Sousa de Carvalho (também referido como Rodrigo de Sousa), o "herói de Mazagão". Nas Cortes, reunidas naquele ano (1562), o povo requereu a manutenção da soberania portuguesa no local, ao que a regente acedeu, conservando-se aquela soberania ainda por cinco décadas.

A Dinastia Filipina e o século XVII

No contexto da Crise de Sucessão de 1580 a guarnição da praça reconheceu António I de Portugal, chegando a preparar uma expedição para apoiá-lo. Este auxílio, porém não chegou a ser utilizado: quando ali chegaram as novas da derrota no Porto, e em virtude da falta de mantimentos, de que dependia, foi aceite a autoridade de Filipe II de Espanha (1556-1598) em outubro de 1580. O monarca espanhol planeou a troca de Mazagão por Larache, que se havia tornado num ninho de piratas, mas as negociações com o então sultão do Marrocos, Mulei Ahmed Almançor (1578-1603), não tiveram frutos.

Durante o domínio Filipino (1580-1640) a Praça conheceu relativo progresso graças sobretudo à regularidade no seu abastecimento, efetuado por contratadores a partir da Metrópole e da Andaluzia, e do comércio que se praticava, a espaços, com os muçulmanos. Desse modo, no século XVII, a Praça-forte de Mazagão era composta por mais de setecentas casas. O registo feito por D'AVITY esclarece que os terrenos do entorno eram férteis e que as terras dentro da fortaleza estavam divididas em lotes onde se cultivava trigo, cevada, ervilhas, favas e outras sementes, e produzia mel. (D’AVITY, Pierre. "Descripton générale de l'Afrique, seconde partie du monde, avec tous ses empires, royaumes, états et républiques", 1660, p. 603.) Além dos moradores permanentes e dos fronteiros (fidalgos que ali serviam por cerca de quatro anos), a praça era local de degredo e ainda local de abrigo de muitos migrantes das ilhas dos Açores.

Neste período destacou-se o episódio funesto da chamada "desaventura do Conde", quando em uma cilada preparada pelos muçulmanos vieram a perecer o então governador, D. Francisco de Mascarenhas, e a quase totalidade dos cavaleiros da Praça (abril de 1640). Quando da Restauração Portuguesa (dezembro de 1640) e aclamação de D. João IV como rei de Portugal, como todas as possessões ultramarinas à exceção de Ceuta, a guarnição e a população aceitaram o novo monarca.

O século XVIII e o abandono da Praça

No último período de sua existência a Praça teve a sua vida administrativa organizada pelo Regimento de 1692, que lhe ditava uma total dependência da Metrópole.

O grande sismo de 1 de novembro de 1755 que destruiu boa parte de Lisboa, também se fez sentir no norte da África, tendo causado danos à  cidade de Mazagão. A reconstrução da cidade e dos edifícios públicos comprometeu as finanças públicas e o controlo das despesas. O défice impossibilitava investimentos para cobrir os encargos pertinentes à defesa da região sul-marroquina e sua fortaleza.

Na década de 1760 o confronto com os muçulmanos recrudesceu, aumentando as ameaças que pesavam sobre os moradores da praça, e as reivindicações destes ao monarca por mais recursos e forças militares para a sua defesa. De maneira geral escasseavam recursos para o reparo das defesas, os alimentos eram insuficientes e muitas vezes chegavam deteriorados, a fome era uma constante, as epidemias grassavam entre a população. A análise das cartas e relatórios do governador da Praça, Vasques da Cunha, a Sebastião Carvalho de Melo, marquês de Pombal, ministro de José I de Portugal (1750-1777) revela ainda que muitos dos oficiais se insubordinavam devido aos atrasos e mesmo a falta de pagamento dos soldos.

Em 1763 Dinis Gregório de Melo Castro de Mendonça, sobrinho de Sebastião José de Carvalho e Melo, assumiu o comando da praça e reafirmou todos os problemas identificados pelo seu antecessor. Desde então, e até 1768 a crise aumentou, diante da pressão muçulmana sobre a fortaleza. Apesar das remessas de embarcações e recursos por parte do Reino, os muçulmanos contavam com homens, animais e artilharia. Em janeiro de 1769, Mohammed III de Marrocos (1757-1790) exigiu de Dinis Gregório de Melo Castro de Mendonça a entrega das chaves da cidade, lançando sobre a fortaleza uma grande quantidade de bombas. No início de fevereiro partiram de Lisboa embarcações com homens e armamentos para auxiliarem na defesa da praça, transportando ainda a determinação da Coroa para o abando da Praça o mais breve possível.

Embora a população não tenha visto com bons olhos a determinação, esta era irrevogável: teve início então o abandono da Praça. De acordo com as instruções do Reino, mulheres e crianças deveriam ser embarcadas e só depois os homens mais jovens. Seriam embarcadas ainda as imagens sacras e os ornamentos das igrejas, e só depois as vestimentas e objetos, como móveis, que fossem possíveis de transportar. Do mesmo modo, a artilharia deveria ser embarcada e o restante seria destruído ou lançado ao mar, para que os muçulmanos não pudessem fazer uso dos equipamentos.

Nas tratativas de paz entre o governador e Mohammed III ficou estabelecido um período de trégua de três dias para o embarque da população, cerca de 2000 pessoas. Em março de 1763, a revolta dos habitantes levou a que estes destruíssem as suas habitações e queimassem os objetos que não podiam transportar, reduzindo a cidade a escombros. As forças portuguesas abandonaram a cidade pela Porta do Mar no dia 10 de março, deixando minada a entrada principal, que explodiu quando as forças marroquinas forçaram a entrada, o que provocou a destruição do chamado "Baluarte do Governador" e de grande parte do terrapleno.

O abandono de Mazagão marcou o fim da presença portuguesa no Norte d'África. A povoação permaneceu desabitada por quase meio século, vindo a ser denominada de "al-Mahdouma" ("as ruínas").

O marquês de Pombal decidiu que a população de Mazagão seria transferida para a Amazónia, no Brasil, outra região sob controlo português que necessitava de garantia de soberania. Desse modo, foi fundada a vila de Nova Mazagão (atualmente apenas Mazagão, no estado do Amapá).

Do século XIX aos nossos dias

Em 1824, o sultão Abderrahman determinou ao pachá da região de Doukkala e Tamesna, Sidi Mohamed Ben Tayeb, que restaurasse a antiga povoação portuguesa reerguendo as fortificações e construindo uma mesquita.

Durante o Protetorado Francês do Marrocos (1902-1956) a fortaleza foi restaurada segundo o primitivo traçado.

As fortificações portuguesas de Mazagão foram inscritas na lista do Património da Humanidade pela UNESCO em 2004. Do conjunto, destacam-se a antiga Igreja da Assunção e a antiga cisterna, em estilo manuelino. No entanto, a fortificação mostra o cruzamento entre as culturas europeia e marroquina, tanto na arquitetura, como na técnica construtiva e no urbanismo.

Em 2009 a Fortaleza de Mazagão foi classificada como uma das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo.

Características

A concepção da fortificação de Mazagão pertence ao período do desenvolvimento da artilharia moderna, à época do Renascimento.

Apresenta planta no formato de estrela, com muralhas na cota de 250 a 300 metros de altura. Ligeiramente inclinadas, apresentam altura média de 8 metros, maciças, com uma espessura de 10 metros, encimadas por um caminho de ronda de 2 metros de largura. Estas muralhas são amparadas por quatro baluartes: o baluarte do Anjo, a este, o de São Sebastião, a norte, o de Santo António, a oeste, e o do Espírito Santo, a sul. Um quinto baluarte, o do Governador, defendia o Portão de Armas, atualmente em ruínas após ter sido explodido pelas forças portuguesas no momento da evacuação da praça em 1769. Esta rasgava-se em arco duplo ao centro da muralha sul, separada de terra por um fosso inundado, com 20 metros de largura e 3 de profundidade, ultrapassado por uma ponte levadiça. A fortificação possuía outras duas entradas: a chamada "Porta do Mar", que defendia um pequeno ancoradouro protegido pela muralha Nordeste, e a porta do Touro.

À época do Protetorado Francês, o fosso foi aterrado e uma nova entrada aberta, conduzindo à rua principal, a rua da Carreira e à "Porta do Mar". É ao longo desta rua que se encontram os vestígios históricos mais bem conservados, assim como a primitiva igreja católica da Assunção e a cisterna manuelina.

Numerosas peças de artilharia portuguesa encontram-se em exposição nas canhoneiras.

A cisterna

Constitui-se em uma vasta sala subterrânea e abobadada integrante da fortificação erguida em 1514. Serviu possivelmente como salão de armas, antes de ser requalificada como reservatório de água. Apresenta planta quadrada com 34 metros de lado, constituindo seis naves cujas abóbadas de nervuras repousam sobre 25 colunas e pilares. O tramo central é rasgado por um amplo óculo por onde penetra a luz do dia, o que produz, por reflexão sobre o espelho d'água da cisterna, um efeito magnífico. A majestosa cisterna cativou Orson Welles, que em seu interior filmou algumas sequências do seu filme Othello (1952). Do mesmo modo, cenas dos filmes La Vuelta Del Marco Negro, produzido por Francis Ford Coppola, e do filme Harén, de Arthur Joffé, também foram filmadas aqui.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

Castelo [de Mazagão]
Página sobre o Castelo em El Jadida [Mazagão], no Marrocos, na base de dados do Património de Influência Portuguesa (HPIP), da Fundação Calouste Gulbenkian.

http://www.hpip.org/Default/pt/Homepage/Obra?a=225
Fortaleza [de Mazagão]
Página sobre a Fortaleza em El Jadida [Mazagão], no Marrocos, na base de dados do Património de Influência Portuguesa (HPIP), da Fundação Calouste Gulbenkian.

http://www.hpip.org/Default/pt/Homepage/Obra?a=222

 Print the Related links

Contribution

Updated at 10/11/2017 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: (1), Carlos Luís M. C. da Cruz (2).


  • Praça-forte de Mazagão


  • Fortified City

  • 1514 (AC)


  • Benedetto da Ravenna


  • Portugal

  • 1769 (AC)

  • Featureless and Well Conserved

  • UNESCO World Heritage
    Em 30 de junho de 2004, durante a 28.ª sessão do Comité do Património Mundial, em Suzhou, na China, a povoação de El Jadida foi inscrita na lista do Património Mundial da UNESCO.







  • ,00 m2

  • Continent : Africa
    Country : Marroco
    State/Province: El Jadida
    City: El Jadida (Mazagão)



  • Lat: 33 -16' 36''N | Lon: 8 30' 10''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Praça-forte de Mazagão