Forte de São Pedro dos Biscoitos

Praia da Vitória, Autonomous Region of Azores - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (10)

Images (10)

O “Forte de São Pedro”, também referido como “Forte de Santo António” (MALDONADO, 1989:tomo I p. 167), localiza-se na freguesia dos Biscoitos, concelho da Praia da Vitória, costa Norte da ilha Terceira, na Região Autónoma dos Açores, em Portugal.

É possível que essa última designação se deva à ermida vizinha, da mesma invocação.

História

Ao final do século XVI, ao principiar a descrever a ilha, FRUTUOSO registou:

"(...) do biscoito que se diz da Alagoa do Pampalona [Pamplona], da banda do norte, chamado porto da Casa da Salga do Pampalona, (...)." (FRUTUOSO, 1998:vol. VI, cap. 2, p. 7)

E ao descrever a área da atual freguesia dos Biscoitos, detalha:

[De Oeste para Leste, de São Roque/Altares para as Quatro Ribeiras:] A costa do mar, por esta parte [Biscoitos], é quase toda rasa e muito brava; nela está um porto, onde varam os batéis, que se chama a Casa da Salga, que serve pera todos os moradores destas freiguesias, e outro porto, chamado da Cruz, e por outro nome de Pedreanes do Canto, onde ele carregava suas rendas, em que está feito um repairo de pedra e cal e outros de pedra ensossa, com três ou quatro peças de artilharia pera defensão dele, (…).” (FRUTUOSO, 1998:vol. VI, cap. 4, p. 18)

No início do século XVIII, CORDEIRO segue a informação de FRUTUOSO:

A costa do mar é raza, mas muyto brava, & tem comtudo um portozinho, chamado a Casa da salga, & outro chamado de Pedreanes do Canto, com um forte, que de antes tinha quatro peças, por alli carregar o fidalgo suas rendas.” (CORDEIRO, 2007:254)

No início do século XVII, acerca da fortificação da Terceira no contexto da Crise de Sucessão de 1580, um anónimo referiu:

"Naquele tempo [crise de Sucessão de 1580], (...) e pois não havia em toda esta ilha Terceira outro forte ao longo do mar, mais que uma fortaleza, que se chama de São Sebastião; a qual El-rei D. Sebastião mandou fazer, depois que se tomou a ilha da Madeira pelos franceses pelo Caldeira [Pierre Bertrand de Montluc], que depois foi tomado, e foi feita dele justiça na cidade de Lisboa; e temendo-se esta ilha que fizessem outro tanto, (...)." (Anónimo, Relação das Coisas que aconteceram em a cidade de Angra, Ilha Terceira, depois que se perdeu El-Rei D. Sebastião em África, 1611. In: Arquivo dos Açores, vol. IX, 1887, p. 16)

E complementou:

"Depois de idas as sobreditas armadas [no ano de 1581], entrava o inverno, e determinaram o corregedor [Ciprião de Figueiredo e Vasconcelos (1578-1582)], e os mais que regiam a ilha, de fazerem com brevidade todas as fortalezas na ilha; (...) e da vila da Praia até aos Biscoitos de António Pires do Canto muitos reparos; e nos Biscoitos uma fortaleza." (Op. cit, p. 20)

DRUMMOND, no século XIX, ampliou a informação:

"Não havia naquele tempo em toda a costa da ilha Terceira alguma fortaleza, excepto aquela de S. Sebastião, posto que em todas as cortinas do sul se tivessem feito alguns redutos e estâncias, nos lugares mais susceptíveis de desembarque inimigo, conforme a indicação e plano do engenheiro Tomás Benedito, que nesta diligência andou desde o ano de 1567, depois que, no antecedente de 1566, os franceses, comandados pelo terrível pirata Caldeira, barbaramente haviam saqueado a ilha da Madeira, e intentado fazer o mesmo nesta ilha, donde parece que foram repelidos à força das nossas armas." (DRUMMOND, 1981:vol. I, p. 230)

E, também sem mencionar a antiga fortificação de Pero Anes do Canto, complementou:

"(...) e d'ali [da baía da Praia] até os Biscoutos da Cruz, por outro nome Biscoutos de Pedro Anes do Canto, se fizeram alguns reparos, por ser tudo costa brava; e naquele lugar finalmente, já boas 5 léguas para o norte da vila da Praia, se fez um pequeno forte no varadouro dos barcos: toda a mais costa da ilha ficou defendida pelo alcantilado de suas rochas e furia dos mares." (DRUMMOND, 1981:vol. I, p. 233)

Após a conquista da Terceira (julho de 1583) por D. Álvaro de Bazán, 1.º marquês de Santa Cruz de Mudela, foi inventariado o seguinte material bélico neste forte:

"Em outro forte, mais adiante, que se chama Porto da Casa Salgada, tem quatro peças, duas de bronze e duas de ferro." (FRUTUOSO, 1998:Livro VI, cap. 26, p. 88)

De acordo com o Inventário do Património Imóvel dos Açores, o atual forte datará do século XVIII (BRUNO, 2004:288 Ficha n.º 32.196.166).

No contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), durante as movimentações preparatórias da revolta miguelista de setembro-outubro de 1828, foi neste porto que, a 1 de outubro, desembarcou um pequeno reforço miguelista vindo da ilha do Faial, efetivo que, segundo DRUMMOND, ascendia a “pouco mais de 200 espingardas quase todas incapazes de servir; cartuchos e algumas balas, mas nenhuma pólvora; nada de soldados, nem de oficiais (...).” (Op. cit., cap. VII). Embora esse armamento fosse insuficiente para as necessidades das milícias e tropas realistas, partidárias de D. Miguel, foram o suficiente para causar enorme rebuliço e receio entre as tropas constitucionais acantonadas em Angra.

O forte recebeu obras de reforço ainda em 1828, passando a abrigar um destacamento de tropa de linha – o Batalhão de Voluntários da Rainha D. Maria II - com a função de prevenir uma eventual tentativa de desembarque de forças opositoras ao regime liberal.

Encontra-se relacionado na carta "Circuito da Ilha Terceira (...)" de Joaquim Bernardo de Mello Nogueira do Castello, em março de 1831, que lhe regista: "6º DISTRICTO S. PEDRO DOS BISCOITOS Comprehende 3 Freguezias: S. Biatriz das quatro Ribeiras, S. Pedro dos Biscoitos, e S. Roque dos Altares. Está defendido por 2 Fortes: 1.º Rua Longa p. 2 c. 9 e 6 [2 peças calibres 9 e 6]; 2.º Porto p. 2 c. 6 e 9 [2 peças calibres 6 e 9]."

Ao fim do conflito foi desguarnecido.

Encontrava-se guarnecido em julho de 1853, data do “Plano de Defesa da Ilha Terceira” (MARTINS, 2017:204).

A “Relação” do marechal de campo Júlio José Fernandes Basto, 1.º barão de Basto, comandante da 10.ª Divisão Militar (Açores), em 1862 refere-o como “Forte do Porto”, informa que “Esta-se procedendo a algumas pequenas reparações de que preciza”, e observa:

Merece ser conservado, porque obsta ao dezembarque de forças agressoras neste ponto que é o único que podera offerecer probabilidade em toda a costa do Norte da Ilha.” (Op. cit., p. 272)

Quando da realização do tombo de 1881, encontrava-se abandonado e parcialmente arruinado. A casa da guarnição fora ocupada por um pescador da freguesia dos Biscoitos (PEGO, 1996).

No contexto da 2.ª Guerra Mundial (1939-1945) abrigou um “ninho” de metralhadoras.

Em 1982 encontrava-se em sofrível estado de conservação (BAPTISTA DE LIMA, 1982).

Encontra-se compreendido na Área de Paisagem Protegida das Vinhas dos Biscoitos, instituída pelo Decreto Legislativo Regional n.º 11/2011/A, de 20 de abril.

Em nossos dias encontra-se conservado por iniciativa da Junta de Freguesia dos Biscoitos. Constitui um dos núcleos do Museu de Angra do Heroísmo.

A memória da “Casa da Salga” perdura na toponímia “Canada da Salga”, por onde se acede ao atual porto e onde, junto ao mar, se ergue o forte.

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartado, marítimo, de enquadramento rural, isolado.

Apresenta planta com formato pentagonal irregular, com 805 m². As muralhas, em cantaria no paramento exterior, são rasgadas por 3 canhoneiras, ornadas em nossos dias com 3 peças antecarga, de alma lisa, de ferro, desmontadas.

Esta defesa era complementada por algumas banquetas para fuzilaria e uma casa de alvenaria coberta com colmo, para a guarnição, erguida isolada, externamente ao recinto do forte.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

32.196.166 Forte de São Pedro dos Biscoitos
Ficha do Forte de São Pedro dos Biscoitos no Inventário do Património Imóvel dos Açores / Praia da Vitória.

http://www.inventario.iacultura.pt/terceira/praiavitoria_fichas/32_196...

 Print the Related links

Contribution

Updated at 30/07/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (10).


  • Forte de São Pedro dos Biscoitos

  • Forte de Santo António dos Biscoitos, Forte do Porto

  • Fort

  • 1581 (AC)

  • 1582 (AC)

  • Tommaso Benedetto


  • Portugal


  • Featureless and Well Conserved

  • Other: tell us by e-mail
    Encontra-se compreendido na Área de Paisagem Protegida das Vinhas dos Biscoitos, instituída pelo Decreto Legislativo Regional n.º 11/2011/A, de 20 de abril.





  • Tourist-cultural Center

  • 805,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Autonomous Region of Azores
    City: Praia da Vitória



  • Lat: 38 -48' 2''N | Lon: 27 15' 36''W




  • 1583: 4 peças antecarga de alma lisa, 2 de bronze e 2 de ferro.
    1831 (mar): 2 peças antecarga, de alma lisa, dos calibres 9 e 6.
    Atual: 3 peças antecarga, de alma lisa, de ferro, desmontadas.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Forte de São Pedro dos Biscoitos