Fort of Santo Antônio da Barra

Salvador, Bahia - Brazil

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (31)

Images (29)
Videos (2)

O “Forte de Santo Antônio da Barra” localiza-se na cidade do Salvador, estado da Bahia, no Brasil.

Situa-se na ponta do Padrão (atual ponta de Santo Antônio), dominando a entrada da barra de Salvador, ponto onde Gonçalo Coelho teria fundeado, fazendo erguer um padrão de posse para a Coroa portuguesa (1 de novembro de 1501, dia de Todos os Santos).

História

Antecedentes

A primeira estrutura no local remonta ao período da União Ibérica (1580-1640), sob o reinado de Filipe II de Espanha (1556-1598), durante o Governo-geral de Manuel Teles Barreto (1583-1587), com a função de defesa da barra do porto da então capital do Estado do Brasil (BARRETO, 1958:170). Provavelmente de faxina e terra, foi reconstruída em alvenaria de pedra e cal a partir de 1596, durante o Governo-geral de D. Francisco de Sousa (1591-1602), com planta atribuída ao engenheiro-mor de Portugal, o cremonense Leonardo Torriani (1560-1628), no formato de um polígono octogonal regular.

Um manuscrito depositado no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (L. 67 Ms. 1236), anônimo e sem data (início do século XVII, possivelmente anterior a 1608), no capítulo dedicado à capitania da Bahia de Todos os Santos, sobre a "cidade da Bahia" (sic) a respeito deste forte informa:

"(...) e mais apartado da cidade, em uma ponta de terra, está o Forte de Santo Antônio o qual tem de presídio dez soldados, dos quais quatro são mosqueteiros e seis arcabuzeiros, um cabo, condestável que todos vencem soldo conforme o de S. Filipe. Tem o capitão com 40.000 réis ] de ordenado." (Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, v. 75.)

No mesmo período, Diogo de Campos Moreno complementa essas informações:

Forte de Santo António da Barra com um canhão de bronze de 38 quintais jogando 10 libras de bolas; dois sacres ou meia espera de bronze de dezoito quintais jogando 10 libras de bola; um falcão de dedo de seis quintais. O capitão tinha de ordenado 60 mil réis anuais; o tenente ou cabo de esquadra, 38 mil réis; e dez mosqueteiros, a 33 mil réis cada um. O condestável de artilharia percebia 38.400 por ano. Um ajudante, a 19.200 [réis].” (MORENO, Diogo de Campos. Livro que dá Razão ao Estado do Brasil. 1612).

As invasões neerlandesas

No contexto das invasões neerlandesas no Brasil, foi ocupado pelos invasores na ofensiva de 1624, sem oferecer resistência (9 de maio). Foi reconquistado, após três dias de assalto, por tropas portuguesas no ano seguinte (1625), que nele estabeleceram o foco do contra-ataque até à chegada da esquadra espanhola de D. Fadrique de Toledo Osório. Desse modo, foi ao abrigo do fogo do Forte da Barra, que 4.000 homens desembarcaram para a retomada do Salvador, de onde expulsaram os invasores a 30 de abril.

Em 1626 um arquiteto francês projetou-lhe a forma de um polígono hexagonal, com dez metros de lado (SOUZA, 1983:171), o que se acredita não tenha se materializado, uma vez que se encontra figurado por João Teixeira Albernaz, o velho, ainda como um polígono octogonal, mas artilhado com apenas 3 peças pelo lado do mar. O acesso, pelo lado de terra, alcançava as dependências de serviço, no terrapleno, flanqueadas por dois baluartes circulares. (Baía de Todos os Santos, 1631. Mapoteca do Itamaraty, Rio de Janeiro)

Construção do farol da Barra

Após o trágico naufrágio do galeão Santíssimo Sacramento, capitânia da frota da Companhia Geral do Comércio do Brasil, num banco de areia frente à foz do rio Vermelho (5 de maio de 1668), o forte foi reedificado a partir de 1696, durante o Governo-geral de João de Lencastre (1694-1702), quando recebeu um farol — um torreão quadrangular encimado por uma lanterna de bronze envidraçada, alimentada a óleo de baleia —, o segundo existente no Brasil e em todo o continente (1698), antecedido pelo farol do antigo Palácio de Friburgo (1642) no Recife. (Palácio de Friburgo, Recife, PE, In: Biblioteca Central Blanche Knopf, disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&id=638%3Apalacio-de-friburgo-recife-pe Consultado em 12 jul 2017) Passou então a ser chamado de Vigia da Barra ou de Farol da Barra.

O capitão Santo Antônio de Lisboa

Em 1705 o Senado da Câmara de Salvador solicitou ao Governador-geral D. Rodrigo da Costa (1702-1705), que Santo Antônio de Lisboa sentasse praça nesta fortificação, no posto de capitão (BARRETO, 1958:170-171). A proposta foi aceite, tendo o Governador-geral expedito ordem, a 16 de julho do mesmo ano, ao provedor-mor da Fazenda Real do Estado do Brasil, para que o santo assentasse praça no posto de capitão-intertenido, com o soldo sendo pago ao síndico do Convento de São Francisco, o que foi aprovado pela Coroa por Alvará de 7 de abril de 1707. Posteriormente, pelos decretos de 13 de setembro de 1810 e de 25 de novembro de 1814, o Príncipe-Regente D. João promoveu o santo aos postos de Major e de Tenente-coronel, respectivamente.

 O século XVIII

O forte apresentava ruína em 1752 e sofreu reformas em 1756. (SOUZA, 1983:171) BARRETO (1958) dá-o como guarnecido por 1 capitão comandante, 1 sargento artilheiro, 2 tambores e 8 soldados artilheiros, artilhado com 8 peças de bronze (2 do calibre 24, 4 do 16 e 2 do 12) e 17 de ferro (8 do calibre 36 e 9 do 8), (op. cit., p. 170) acredita-se que para esse meado do século XVIII. A iconografia de José António Caldas ("Planta e fachada do forte de S. Antonio da Barra". in: Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu reconcavo por mar e terra, c. 1764. Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa), já exibe a atual planta, de que existe cópia, de autoria do engenheiro João Coutinho, atribuída ao ano de 1772.

Encontra-se representado numa iconografia de Carlos Julião, sob o nome de “9. Forte de S. A. da Barra” (Elevaçam e fasada que mostra em prospeto pela marinha, a cidade de Salvador, Bahia de todos os Santos, 1779. Gabinete de Estudos Arqueológicos de Engenharia Militar, Lisboa), ilustrada com os desenhos de trajes típicos femininos.

O século XIX

Em 1809 contava com 16 peças, dos calibres 48 a 24 (SOUZA, 1885:92). Acredita-se que o autor se tenha baseado no "Parecer sobre a fortificação da Capital", do brigadeiro José Gonçalves Leão, presidente da Junta encarregada pelo governador da Bahia, em 1809, de propor as obras necessárias para a defesa da península e do recôncavo. (In: ACCIOLI. Memórias Históricas da Bahia. Vol. VI. p. 179 e segs.) Planta da época, assinala que o forte não dispunha de fosso e nem de ponte levadiça. A Casa de Comando, alteração do século XIX, apresenta janelas com lenço de pedra sob as guarnições.

No contexto da Guerra da Independência (1822-1823) esteve em mãos das forças portuguesas sob o comando do coronel Inácio Luís Madeira de Melo (1775-1833), até à rendição em 1823. (GARRIDO, 1940:85)

Quando do Período Regencial (1831-1840), o Decreto de 6 de julho de 1832 determinou a instalação de um farol mais moderno, fabricado na Inglaterra, em substituição ao antigo. Ao término das obras, inauguradas em 2 de dezembro de 1839, o novo equipamento de luz catóptico erguia-se sobre uma torre troncônica de alvenaria, com alcance de 18 milhas náuticas com tempo claro. (PRADO, Roberto Coutinho do (Cap. de Fragata). Faróis Brasileiros. Revista Correio Filatélico. Ano 19, Set./Out. 1995, n.º 156. p. 36-40)

Foi visitado em 1859 pelo Imperador Pedro II do Brasil (1840-1889), que registrou em seu diário de viagem:

28 de Outubro - (...) De tarde fui passear à Barra, (...). Numa ponta da terra que entra pelo mar e sobre o morro, todo verde de relva, contrastando com as pedras próximas, levanta-se o forte de Santo Antônio da Barra dentro do qual está um farol. A torre tem 76 degraus em espiral, e mais dois lanços, um de nove degraus e outro de oito até à base de apoio do aparelho ao qual se chega subindo mais seis degraus. O aparelho compõe-se de 21 espelhos parabólicos de metal branco, sete dos quais são cobertos por vidro vermelho. Dá uma volta em 5 minutos, e consome 34 canadas de azeite doce por mês. (...) A despesa com a limpeza do aparelho é por conta do Arsenal. (...) Não há água perto, e apanham a da chuva dentro de umas pipas que vi dentro do forte.” (PEDRO II, 2003:165-166)

No contexto da Questão Christie (1862-65), o "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província (03/ago/1863), dá-o como inútil para a sua finalidade defensiva, utilizado como farol (ROHAN, 1896:51), citando:

"(...) É esta fortaleza o assento do farol, a favor de cujo serviço perdeu o seu destino próprio, e nem pode prestar simultâneamente com aquele, porque dos abalos e vibrações de artilharia devem resultar graves inconvenientes para as funções e mesmo existência do farol; mas quando o uso e as vantagens deste devessem ser propostas às que se podem tirar do Forte como recurso bélico, seria necessário o restabelecimento das obras de terrapleno, e as reparações reclamadas pelo abandono em que parece estar, apesar de ser habitada pelo pessoal do serviço do farol.

Em seu interior possui a fortaleza quatro casas, sendo duas abobadadas contíguas à entrada e duas no solo do terrapleno, que são alojamentos das pessoas acima aludidas e dependências do serviço do farol: estas casas precisam de algumas reparações.
" (Op. cit., p. 56)

Novos reparos foram procedidos no forte em 1875, quando contava com 9 peças em mau estado (SOUZA, 1885:92). Em 1888 um novo aparelho de luz foi encomendado na Europa para o farol, inaugurado em 20 de agosto de 1890.

O século XX

Em 1903 novos reparos foram procedidos na estrutura do farol e nas casas dos faroleiros. Em 1906 o Ministério do Exército cedeu o edifício mais próximo ao Farol, no terrapleno, para servir de residência aos faroleiros, e em agosto do ano seguinte a Capitania dos Portos recebeu o montante necessário para consertos gerais e pintura externa e interna do farol e casa dos faroleiros, procedimentos repetidos em 1933, 1934 e 1935. (PRADO, 1995) De propriedade da União, o Forte de Santo Antônio da Barra, Forte Grande ou Fortaleza da Barra, foi tombado pelo então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938.

Administrado pela Marinha do Brasil, após uma inspeção realizada pelo então Capitão-de-Mar-e-Guerra Max Justo Guedes, foram executadas, de junho de 1974 a 31 de março de 1975, obras de adaptação para a instalação da Seção do Museu Naval e Oceanográfico (Museu de Hidrografia, especializado em hidrografia e cartografia náutica) nas suas dependências. Novas obras para ampliação do Museu e restauro do forte e farol foram executadas em 1990, com o apoio da empresa AGA S/A e pessoal da guarnição do navio balizador Faroleiro Nascimento, da Marinha Brasileira. (PRADO, 1995)

O forte integra o Projeto de revitalização das Fortalezas Históricas de Salvador, da Secretaria de Cultura e Turismo em parceria com o Exército Brasileiro. Voltou a sofrer intervenção de restauro no período de 1995-1998 com recursos oriundos da Fundação de Assuntos do Mar (ProMar) através de convênio firmado com o Ministério da Marinha, passando a abrigar o Museu Náutico da Bahia (10 de dezembro de 1998), que mantém em acervo peças de arqueologia submarina, réplicas de embarcações, equipamentos para navegação, cartas náuticas e outros documentos.

Foi homenageado com uma emissão filatélica da ECT da Série Faróis Brasileiros, emitido em 28 de setembro de 1995. Para os aficcionados da telecartofilia, a sua fachada e portão ilustram um cartão telefônico da série Fortes de Salvador, emitida pela Telebahia em junho de 1998. Também figura com destaque na emissão filatélica da ECT comemorando os 450 anos de Salvador, emitida em 29 de março de 1999.

Integra a Lista Indicativa enviada pelo país à UNESCO em 2015, para concorrer ao título de Patrimônio Mundial, previsto para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil (2022). 

Características

Exemplar de arquitectura militar, abaluartado.

A sua atual configuração data de meado do século XVIII, quando recebeu o formato de um polígono decagonal irregular, com 6 ângulos salientes e 4 reentrantes, com parapeitos à barbeta. O terrapleno, acessado por um túnel em rampa que termina em escadaria, abriga edificações de um pavimento compreendendo as dependências de serviço (Casa de Comando, Quartel da Tropa, Cozinha, Casa da Palamenta, e outras), e cisterna abobadada. Nele estava situada ainda a torre do farol, de seção cilíndrica. A construção é em alvenaria de pedra gnaisse, extraída do próprio local, e a portada é em cantaria de arenito.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 

Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Article
1885
 
História do Forte e do Farol
Mila Miranda

Article
1999
 
A engenharia do medo
Adler Homero Fonseca de Castro

Article - Magazine
2006
 
Fortificações portuguesas no Brasil: dos descobrimentos à época pombalina

Book
1999
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Printed Document
1838
 
História do Brasil
Vicente Rodrigues Palha (Frei Vicente do Salvador)

Book
1889
 
Las fortificaciones en Brasil
Roberto Tonera

Article - Magazine
2016
 
Dimensión Antropológica

Magazine
2016
 
Relatório síntese do Seminário Internacional sobre Fortificações Brasileiras – Patrimônio Mundial

Report (Other)
2017
 
Carta de Recife

Official Document
2017
 
Fortes da Bahia, nº 4
Anésio Ferreira Leite
José Gomes Pedreira Lapa
Consuelo Pondé de Sena
Francisco Senna

Newspaper
2002
 
Fortes da Bahia, nº 2
Anésio Ferreira Leite
Cid Teixeira
Cybèle Celestino Santiago
Etelvina Rebouças
Alberto Paraíso

Newspaper
2002
 
Gazeta do Forte - Ano II, nº 5
ABRAF

Newspaper
2009
 
Museu Náutico da Bahia: Farol da Barra
Museu Náutico da Bahia

Folder
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1875
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1875
 
Levantamento Cartográfico de Paulo Nunes Tinoco - 1631
Paulo Nunes Tinoco

Handwritten Document
1633
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848

Printed Document
1848
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1846
 
Museu Náutico da Bahia: arqueologia subaquática do Galeão Santíssimo Sacramento
Museu Náutico da Bahia

Catalog
2000
 
Os Fortes do Brasil
Ricardo Siqueira Prado
Ricardo Chaves Prado

Article - Magazine
1998
 
Plano da fortificação que se acha na Capitania da Bahia feito por ordem do senhor D. Fernando José de Portugal e Castro, Governador e Capitão Geral da mesma Capitania no ano de 1799

Handwritten Document
1799
 
As Fortalezas e a defesa de Salvador
Mário Mendonça de Oliveira

Book
2008
 
O Exército na História do Brasil

Book
1998
 
As primitivas defesas da cidade de Salvador
Mário Mendonça de Oliveira

Article - Magazine
2007
 
Cartas de Vilhena - crítica do sistema fortificado
Anésio Ferreira Leite

Article - Magazine
1999
 
As Fortificações Portuguesas de Salvador Quando Cabeça do Brasil
Mário Mendonça de Oliveira

Book
2004
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - A ''Cidade-Fortaleza'' de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Article
2001
 
Fortes de Santo Antônio da Barra, Santa Maria e São Diogo
Paulo Roberto Rodrigues Teixeira

Article - Magazine
2005
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - Histórial dos Fortes de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Article
2001
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Book
2004
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Book
1940
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Aníbal Barreto

Book
1958
 
Os Fortes de Salvador
Virgínia Pernambucano de Mello

Cd-Rom
2006
 
As fortificações Militares, referenciais para o turismo
Anésio Ferreira Leite

Article - Newspaper
2002
 
Falando de fortes: uma viagem pelos símbolos de resistência desta terra
Cid Teixeira

Article
2002
 
A defesa da entrada da "Baia de Todos os Santos"
Mário Mendonça de Oliveira

Article - Proceedings
2008
 
A cidade real: os espaços urbanos de Salvador e seus significados
Luiz Cristiano Oliveira de Andrade

Article - Proceedings
2002
 
O Forte de Santo Antônio da Barra
Carlos Ott

Article - Magazine
1959
 
Muralhas de pedra, canhões de bronze, homens de ferro: fortificações do Brasil de 1504 a 2006 - Tomo II
Adler Homero Fonseca de Castro

Book
2013
 
Fortes e faróis na criação de uma identidade costeira do Nordeste
Gustavo Cesar Ojeda Baez

Article
2011
 
Fortes e Fortalezas. A participação da FUNCEB na restauração e divulgação do Patrimônio Nacional
Paulo Roberto Rodrigues Teixeira

Article - Proceedings
2010
 
Forte São Marcelo, "O humbigo da Bahia"
Anésio Ferreira Leite

Article - Proceedings
2010
 
Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Annals
2010
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Forte e farol da Barra: uma fortaleza de muitas formas, mas sempre bela.
Francisco Senna

Article
2002
 
Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu reconcavo por mar e terra
José Antônio Caldas

Document
1764
 
Fortalezas Históricas do Brasil
Jacob Klintowitz
Romulo Fialdini

Book
1983
 
Conjunto de Fortificações Coloniais do Brasil indicado para o Patrimônio Cultural da Humanidade
Elcio Rogério Secomandi

Article- Digital
2019
 
Muralhas da memória: fortificações, patrimônio e turismo cultural
Adler Homero Fonseca de Castro

Article- Digital
2013
 
Relatório do Ministro da Marinha, Antônio Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti de Albuquerque, em maio de 1845
Antônio Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti de Albuquerque

Printed Document
1845
 
Fortifying the city of Salvador: municipal constraint or ‘informal imposition’? State-building and long-distance governance in early 17th century Brazil (c. 1604)
Irene María Vicente Martín

Article - Proceedings
2019
 
A História do Brasil em suas muralhas de pedra
Adler Homero Fonseca de Castro

Article - Magazine
2018
 
Seis Passos para a Eternidade
Elcio Rogério Secomandi

Article- Digital
2020
 
Cartas, plantas, esboços e projetos: cartografia militar portuguesa dos séculos XVIII-XIX

Catalog
2005
 
O troar dos canhões
Adler Homero Fonseca de Castro

Chapter
2017
 
Preservação das fortificações do Brasil: um balanço de 80 anos de proteção do Iphan
Kátia Bogéa
Andrey Rosenthal Schlee

Article - Magazine
2018
 
Episódios baianos: documentos para história do período holandês na Bahia

Book
2010
 
Relatório do Ministro da Marinha, João Maurício Wanderley, em maio de 1856
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Printed Document
1856
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Maria da Silva Paranhos, em maio de 1855
José Maria da Silva Paranhos

Printed Document
1855
 
Chaves da Bahia: prevenções militares para a fortificação de Salvador: 1685-1700
Pedro Puntoni

Article - Magazine
2009
 
A revolta dos soldados na Bahia em 1728
Gefferson Ramos Rodrigues

Article - Magazine
2015
 
Educação patrimonial: fortes, fortalezas e integração nacional
Elcio Rogério Secomandi

Article - Magazine
2020
 
A produção do discurso sobre o patrimônio cultural militar: os usos e desusos do tombamento das fortalezas no Brasil
Alessandro Pereira Oliveira
Luana de Carvalho Silva Gusso
Felipe Borborema Cunha Lima

Article - Magazine
2018
 
Ruínas do Forte São Joaquim: o uso turístico e a preservação do patrimônio cultural
Thais Felipe Rosa

Dissertation
2014
 
Relatório do Ministro da Marinha, Francisco de Paula da Silveira Lobo, em maio de 1866
Francisco de Paula da Silveira Lobo

Printed Document
1866
 
Patrimônio Cultural de Origem Militar: contribuições do ICOFORT RIO 2017

Annals
2019
 
Relatório do Ministro da Marinha, Afonso Celso de Assis Figueiredo, em maio de 1867
Afonso Celso de Assis Figueiredo

Printed Document
1867
 
Relatório do Ministro da Marinha, Afonso Celso de Assis Figueiredo, em maio de 1868
Afonso Celso de Assis Figueiredo

Printed Document
1868
 
CEAMA 15

Magazine
2017
 
Relatório do Ministro da Marinha, Barão de Cotegipe, em maio de 1869
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Printed Document
1869
 
Relatório do Ministro da Marinha, Barão de Cotegipe, em maio de 1870
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Printed Document
1870
 
Relatório do Ministro da Marinha, Manoel Antônio Duarte de Azevedo, em maio de 1871
Manoel Antônio Duarte de Azevedo

Printed Document
1871
 
Relatório do Ministro da Marinha, Manoel Antônio Duarte de Azevedo, em maio de 1872
Manoel Antônio Duarte de Azevedo

Printed Document
1872
 
Turismo Virtual em Fortificações Coloniais do Brasil
Elcio Rogério Secomandi
Cesar Bargo Perez

Article - Proceedings
2020
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em maio de 1874
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1874
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em maio de 1875
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1875
 
Relatório do Ministro da Marinha, Luiz Antônio Pereira Franco, em maio de 1877
Luiz Antônio Pereira Franco

Printed Document
1877
 
Bahia: visão geral da capitania (1500-1697)
Mário R. R. Oliveira

Monograph
2016
 
Restauración de la ciudad del Salvador, y Baia de Todos-Santos, en la provincia del Brasil
Thomaz Tamayo de Vargas

Handwritten Document
1628
 
Relatório do Ministro da Marinha, João Ferreira de Moura, em maio de 1879
João Ferreira de Moura

Printed Document
1879
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Rodrigues de Lima Duarte, em maio de 1880
José Rodrigues de Lima Duarte

Printed Document
1880
 
Escavando a história: um estudo do Forte Maurício no contexto da Arquitetura Militar do século XVII
Bianca Machado Muniz

Dissertation
2010
 
Adaptação de bens culturais tombados para uso como museus: resultados para o patrimônio arquitetônico
Ana Veronica Cook Fernandes

Dissertation
2020
 
Relatório do Ministro da Marinha, Antônio de Almeira Oliveira, em abril de 1884
Antônio de Almeida Oliveira

Printed Document
1884
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Rodrigues de Lima Duarte, em janeiro de 1882
José Rodrigues de Lima Duarte

Printed Document
1882
 
Relatório do Ministro da Marinha, Luiz Filippe de Souza Leão, em 1885
Luiz Filippe de Souza Leão

Printed Document
1885
 
Estudo dos materiais de construção de Vitrúvio até o século XVIII: uma visão crítico-interpretativa à luz da ciência contemporânea
Cybèle Celestino Santiago

Thesis
2000
 
Relatório do Ministro da Marinha, Alfredo Rodrigues Fernandes Chaves, em abril de 1886
Alfredo Rodrigues Fernandes Chaves

Printed Document
1886
 
Relatório do Ministro da Marinha, Carlos Frederico Castrioto, em maio de 1887
Carlos Frederico Castrioto

Printed Document
1887
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em maio de 1872
José Maria da Silva Paranhos

Printed Document
1872
 
Relatório do Ministro da Marinha, Custódio José de Mello, em maio de 1892
Custódio José de Mello

Printed Document
1892
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em dezembro de 1872
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1872
 
Relatório do Ministro da Marinha, Custódio José de Mello, em abril de 1893
Custódio José de Mello

Printed Document
1893
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1873
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1873
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1874
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1874
 
Relatório do Ministro da Marinha, Elisiário José Barbosa, em abril de 1895
Elisiário José Barbosa

Printed Document
1895
 
Relatório do Ministro da Marinha, Elisiário José Barbosa, em abril de 1896
Elisiário José Barbosa

Printed Document
1896
 
Relatório do Ministro da Marinha, Manoel José Alves Barbosa, em abril de 1897
Manoel José Alves Barbosa

Printed Document
1897
 
Relatório do Ministro da Guerra, Filippe Franco de Sá, em 1884
Filippe Franco de Sá

Printed Document
1884
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Pinto da Luz, em maio de 1900
José Pinto da Luz

Printed Document
1900
 
Muralhas de pedra, canhões de bronze, homens de ferro
Adler Homero Fonseca de Castro
Synésio Scofano Fernandes

Article - Magazine
2019
 
Relatório do Ministro da Guerra, Antônio Eleutério de Camargo, em 1885
Antonio Eleutério de Camargo

Printed Document
1885
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1888
Thomaz José Coelho de Almeida

Printed Document
1888
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1889
Thomaz José Coelho de Almeida

Printed Document
1889
 
História geral do Brasil antes da sua separação e independência de Portugal
Francisco Adolfo de Varnhagen

Book
1877
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Francisco Gonçalves Martins, em julho de 1849
Francisco Gonçalves Martins

Printed Document
1849
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Álvaro Tibério de Moncorvo e Lima, em maio de 1856
Álvaro Tibério de Moncorvo e Lima

Printed Document
1856
 
Projeto elaborado no Estado Maior do Exército, em abril de 1900
Feliciano Mendes de Moraes
Alberto Cardoso de Aguiar
Custódio de Senna Braga

Printed Document
1900
 
Fortificaciones en Iberoamérica
Ramón Gutiérrez

Book
2005
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antonio Coelho de Sá e Albuquerque, em dezembro de 1863
Antonio Coelho de Sá e Albuquerque

Printed Document
1864
 
A restauração da cidade do Salvador, Bahia de Todos os Santos
Thomaz Tamayo de Vargas

Article - Magazine
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em 1906
Francisco de Paula Argollo

Printed Document
1906
 
Acenos sobre a contribuição da Engenharia Militar para a Cabeça do Brasil
Mário Mendonça de Oliveira

Article - Magazine
2020
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Antonio de Araujo Freitas Henriques, em março de 1872
João Antonio de Araujo Freitas Henriques

Printed Document
1872
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Antonio Candido da Cruz Machado, em março de 1874
Antonio Candido da Cruz Machado

Printed Document
1874
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1915
José Caetano de Faria

Printed Document
1915
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Venancio José de Oliveira Lisboa, em março de 1875
Venancio José de Oliveira Lisboa

Printed Document
1875
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1916
José Caetano de Faria

Printed Document
1916
 
Brasil... Forte Abraço!
Cristiane Carbone

Catalog
2019
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Luiz Antonio da Silva Nunes, em maio de 1876
Luiz Antonio da Silva Nunes

Printed Document
1876
 
Relatório do Presidente da Província, Luiz Antonio da Silva Nunes, em fevereiro de 1877
Luiz Antonio da Silva Nunes

Printed Document
1877
 
Fala do Presidente da Província, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em maio de 1879
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Printed Document
1879
 
Relatório do Presidente da Província, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em março de 1881
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Printed Document
1881
 
Coleção de plantas geográficas, hidrográficas, planos e prospectos relativos a algumas das cartas de Notícias Soteropolitanas e Brasílicas
Luís dos Santos Vilhena

Handwritten Document
1801
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim José Rodrigues Torres, em 1838
Joaquim José Rodrigues Torres

Printed Document
1838
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Dr. João Capistrano Bandeira de Mello, em outubro de 1887
João Capistrano Bandeira de Mello Filho

Printed Document
1887
 
Relatório do Conselheiro da Província da Bahia, Manuel do Nascimento Machado Portella, em abril de 1889
Manuel do Nascimento Machado Portella

Printed Document
1889
 
O frontispício de Salvador e seu impacto na paisagem urbana da cidade no século XIX
Rodrigo Espinha Baeta
Luiz Antonio Fernandes Cardoso

Article - Magazine
2014
 
A construção da governabilidade no Estado do Brasil: perfil social, dinâmicas políticas e redes governativas do Governo-Geral (1642-1682)
Hugo André Flores Fernandes Araújo

Thesis
2018
 
O papel das fortificações no espaço urbano de Salvador
Marcos Antonio dos Santos

Dissertation
2012
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1886
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1886
 
A Fortaleza de Santa Cruz: patrimônio militar na cidade de Niterói-RJ
Nathan da Silva Nunes
Miguel Angelo Campos Ribeiro

Article - Proceedings
2021
 
Anais de História de Além-Mar

Magazine
2011
 
A Bahia no século XVIII
Luís dos Santos Vilhena

Book
1969
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Museu Náutico da Bahia
Instalado no Forte de Santo Antônio da Barra, mais antiga edificação militar do Brasil, cuja construção data de 1534, o Museu Náutico da Bahia é único do gênero em todo o estado, reunindo valioso acervo de achados arqueológicos submarinos,uma coleção de instrumentos de navegação e sinalização náutica, maquetes, miniaturas de embarcações de variada origem e uma mostra permanente relativa à geografia, história, antropologia e cultura da Baía de Todos os Santos, além da vida marítima, militar e administrativa da cidade de Salvador, primeira capital do país e sua mais importante cidade durante mais de três séculos.

http://www.museunauticodabahia.org.br/
Arquivo Noronha Santos
Link para o Arquivo Noronha Santos, pertencente ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -IPHAN, que dispõe de uma base de dados sobre os bens culturais tombados nacionalmente, inclusive as fortificações no Brasil. Para encontrar as fortificações, faça uma pesquisa (busca) na seção Livros do Tombo.

http://www.iphan.gov.br/ans/inicial.htm
Forte de Santo Antônio da Barra
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de Santo Antônio da Barra que localiza-se na ponta do Padrão (atual Largo do Farol da Barra), em Salvador, Estado da Bahia, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_Santo_Ant%C3%B4nio_da_Barra
Fortes da Bahia
Website Mar da Bahia versando sobre os Fortes de São Marcelo, Santo Antônio da Barra, Santa Maria, São Paulo da Gamboa, São Diogo, São Pedro, Monte Serrat, Santo Alberto, Jequitaia, Rio Vermelho, Santo Antônio Além do Carmo, Barbalho, Paraguassú e Morro de São Paulo, todos localizados no Estado da Bahia.

http://www.mardabahia.com.br/fortes_salv.php
Fortificações de Salvador
Website EMTURSA versando sobre os Fortes de Nossa Senhora de Monte Serrat, de Santa Maria, de Santo Antônio Além do Carmo, de Santo Antônio da Barra, de São Diogo, de São Pedro, do Barbalho, de Santo Alberto, e de São Marcelo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.emtursa.ba.gov.br/Template.asp?IdEntidade=109&Nivel=0002000...
Fortificações de Salvador
Website Salvador 2003, versando sobre as seguintes fortificações: Forte de São Pedro, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de Nossa Senhora do Monte Serrat, Forte de São Marcelo, Forte de Santo Abelardo e Forte de Santo Antônio Além do Carmo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.salvador2003.com.br/fortes.htm
Fortificações de Salvador
Website Colonial Voyage, em inglês, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Bahia: Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de São Marcelo, Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat e Forte de São Pedro.

http://www.colonialvoyage.com/viaggi/brazilsalvadorforts.html
Fortificações de Salvador
Website Brasil Viagem, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, no Estado da Bahia: Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, Forte de Santo Antônio da Barra e Forte São Marcelo.

http://www.brasilviagem.com/materia/?CodMateria=52&CodPagina=182
Fortificações de Salvador
Website Mar da Bahia, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Estado da Bahia: Forte São Marcelo, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Paulo da Gamboa, Forte de São Diogo, Forte de São Pedro, Forte do Monte Serrat, Forte de Santo Alberto, Forte da Jequitaia, Forte do Rio Vermelho, Forte de Santo Antônio Além do Carmo, Forte do Barbalho, Forte do Paraguassú e Forte do Morro de São Paulo.

http://mardabahia.com.br/fortes_salv.php
10 fortes militares históricos viram ponto turísticos, no Brasil
Matéria da edição virtual da revista Casa Vogue de 22/12/2015, que versa sobre dez fortificações no Brasil que hoje são pontos turísticos importantes.

http://casavogue.globo.com/Arquitetura/noticia/2015/12/10-fortes-milit...
Turismo virtual em fortificações coloniais do Brasil
Trata-se de um projeto educacional oferecido gratuitamente ao leitor no formato de uma “visita virtual” a um conjunto de dezenove (19) fortificações coloniais, postulante ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade que esperamos seja conferido pela UNESCO (Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura) em 2022, ano do Bicentenário da Independência do Brasil. O leitor terá a oportunidade de realizar um “voo imaginário” sobre todas as regiões geográficas do Brasil, acessando breves relatos históricos, plantas topográficas e muita iconografia em alta resolução.

https://www.academia.edu/43598339/TURISMO_VIRTUAL_EM_FORTIFICACOES_COL...

 Print the Related links



Related entries 


 Print the Related entries


  • Fort of Santo Antônio da Barra

  • Forte do Farol da Barra, Forte Grande, Fortaleza da Barra, Vigia da Barra, Forte da Ponta do Padrão

  • Fort

  • 1583 (AC)

  • 1596 (AC)


  • Philip II of Spain

  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    Patrimônio Histórico Nacional.
    Livro de Belas Artes: Inscrição:087, Data:24-5-1938.
    Livro Histórico: Inscrição:047, Data:24-5-1938.
    Nº Processo:0155-T-38.

  • Marinha do Brasil

  • Abrigo do Marinheiro em Salvador

  • (71) 3264 3296 / 3331 8039

  • museu@museunauticodabahia.org.br

  • Historical museum
    Museu Náutico da Bahia

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Bahia
    City: Salvador

    Largo do Farol da Barra, s/n.º – Barra
    Salvador, BA, 40140-650


  • Lat: 13 0' 37''S | Lon: 38 31' 59''W



  • De terça a domingo, das 08h30min às 19h (todos os dias em janeiro e julho)


  • Século XVIII (meados): 8 peças antecarga de alma lisa de bronze (2 do calibre 24 libras, 4 do 16 e 2 do 12) e 17 de ferro (8 do calibre 36 e 9 de 8).
    1809: 16 peças, dos calibres 48 a 24.
    1875: 9 peças em mau estado.

  • Provavelmente de faxina e terra.
    Quando de sua reconstrução, em 1596, possuia planta no formato de um polígono octogonal regular.
    Encontra-se figurado por João Teixeira Albernaz, "o velho" (Baía de Todos os Santos, 1631. Mapoteca do Itamaraty, Rio de Janeiro), como um polígono octogonal. O acesso, pelo lado de terra, alcança as dependências de serviço, no terrapleno, flanqueadas por dois baluartes circulares.

    Recebe um farol em 1696: um torreão quadrangular encimado por uma lanterna de bronze envidraçada alimentada a óleo de baleia.
    A iconografia de José Antônio Caldas (Planta e fachada do forte de S. Antonio da Barra. in: Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu reconcavo por mar e terra, c. 1764.

    Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa), exibe a planta atual, de autoria do Engenheiro João Coutinho (atribuída ao ano de 1772), quando recebe o formato de um polígono decagonal irregular, com seis ângulos salientes e quatro reentrantes, com parapeitos à barbeta. O terrapleno, acessado por um túnel em rampa que termina em escadaria, abriga edificações de um pavimento compreendendo as dependências de serviço (Casa de Comando, Quartel da Tropa, Cozinha, Casa da Palamenta, e outras), e cisterna abobadada. Nele estava situada ainda a torre do farol. A construção é em alvenaria de pedra gnaisse, extraída do próprio local, e a portada é em cantaria de arenito.

    No "Parecer sobre a fortificação da Capital", do Brigadeiro José Gonçalves Leão, presidente da Junta encarregada pelo Governador da Bahia, em 1809, planta da época, assinala que o forte não dispunha de fosso e nem de ponte levadiça. A casa de comando, alteração do século XIX, apresenta janelas com lenço de pedra sob as guarnições.
    O novo farol, de 1839, de luz catóptico erguia-se sobre uma torre troncônica de alvenaria, com alcance de 18 milhas com tempo claro (PRADO, Roberto Coutinho do (Cap. de Fragata). Faróis Brasileiros. Revista Correio Filatélico. Ano 19, Setembro/Outubro 1995, nr. 156. p. 36-40).

    O "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província (03/ago/1863) informa: "Em seu interior possui a fortaleza quatro casas, sendo duas abobadadas contíguas à entrada e duas no solo do terrapleno, que são alojamentos das pessoas acima aludidas e dependências do serviço do farol (...)". (ROHAN, 1896:56)

  • 1596: Reconstrução em pedra e cal, a partir de 1596;
    1696: Reedificação, quando recebe um farol;
    1756: Sofreu reformas por encontrar-se em ruínas;
    1839: Recebe um novo farol;
    1875: O forte sofre reparos;
    1888: Novo aparelho de luz é encomendado para o farol;
    1903: Reparos procedidos no farol e nas casas dos faroleiros;
    1907: Consertos gerais e pintura externa e interna do farol e casa dos faroleiros, procedimentos repetidos em 1933, 1934 e 1935;
    1974-1975: obras de adaptação para a instalação da Seção do Museu Naval e Oceanográfico;
    1990: Novas obras para ampliação do Museu e restauro do forte e farol;
    1995-1998: Intervenção de restauro.

  • Invasões neerlandesas no Brasil
    O capitão Santo António de Lisboa
    País de forte inclinação católica, o Brasil se acostumou, desde cedo, a conviver com a presença da Igreja em todas as esferas de sua vida social. No comércio, na literatura, na política e até nas forças armadas a Igreja se fez presente, direta ou indiretamente. É o que atesta a adoção como primeiro padroeiro da cidade de Salvador e a patente militar, no grau de soldado, concedida à imagem do Santo Antônio do Forte da Barra em meados do século XVII, elevado a capitão em 1705.
    A curiosa nomeação militar de Santo Antônio é uma evidência da presença marcante da Igreja na vida cultural e da popularização que o catolicismo viveu na sociedade baiana. O Santo, quer dizer, a sua imagem, que ganhou promoções e vencimentos correspondentes durante séculos, só teve seu soldo cassado em 1912, quando já detinha o posto de tenente-coronel.
    Anualmente o Museu Náutico da Bahia realiza a tradicional Trezena de Santo Antônio, de 01 a 13 de junho, período no qual a comunidade local se reúne no Forte para louvar e agradecer aos bênçãos recebidas, em grande confraternização, homenageando àquele que foi o primeiro padroeiro da cidade.

    Fonte: http://www.museunauticodabahia.org.br/



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort of Santo Antônio da Barra